Ir para a Página Principal  
  Artigos   Palavra da Parteira
sobre Parto e Nascimento
 
  Serviços para Profissionais   Para profissionais (cursos, oficinas, consultoria)
  Serviços para Gestantes   Para Gestantes (cursos, yoga, atendimento)
  Produtos   Produtos
vídeos, livros,
e outros
  Eventos   Histórias de Parto
relatos de mulheres especiais
  Outros   Links
Cadastre-se
 
 

Relatos de Parto
Nome: Fernanda C. Poletto Oliveira

 

Após intermináveis 20 dias de pródromos e falsos alarmes, nosso querido Davi resolveu mostrar a cara em 03/05/05 às 00h37; acompanhada pelo papai, o médico Dr. Jarbas e pela minhas queridas Ana Paula (neonatologista, que se perdeu dentro no "enorme" hospital de Vinhedo e quase não chega, rsrsrsr) e pela Márcia (parteira).

A princípio eu tinha planejado um parto domiciliar, mas infelizmente no meio do caminho acabei cedendo a uma série de fatores (pressão familiar, histórico anterior da morte da Rebeca e uma suspeita não confirmada de diabetes gestacional).

Digo infelizmente, não por tem sido ruim, mas por acreditar que poderia ter sido melhor se eu deixasse meu corpo e meu coração falarem e tivesse ficado em casa....

O Parto foi tranquilo, porém cheio de intervenções....

Por volta das 02h00 da madruga senti uma contração forte e me levantei da cama, quando caminhava para o banheiro perdi uma certa quantia de líquido e achei que a bolsa tinha estourado. O Beto acordou com o barulho da água caindo no chão, tomei um bom banho quente e, enquanto isso o Beto ligou alertando a Márcia, pois estávamos certos que seria um parto muito rápido....Porém já por volta das 6h e nada das contrações virem pra valer.

Falamos novamente com a Márcia que resolveu vir e ver como estava a situação.Ela chegou às 8h00 e ficamos ainda cronometrando as contrações, que eram poucas e fracas.

Começamos a nos preocupar com o período longo de bolsa rota, e eu tinha consulta às 10h...liguei para o médico e passei toda a situação ( só menti o tempo de bolsa rota, rsrsrsrs)

Antes de sairmos pedi à Márcia que verificasse a dilatação, e eu estava com 0,5 cm. Meu chão caiu neste momento, mas procurei não demosntrar muito.

Fomos ao médico, em questão de 20minutos a dilatação estava em 4cm, mas uma coisa nos "intrigou", a bolsa aparentava estar intacta....mas decidimos ir ao hospital, pois imagina só 3,5cm em 20 minutos...estava prometendo....

Ficamos no quarto conversando, fazendo cardiotoco, entre outras coisas às 13h00 e os mesmos 4cm...Decidimos mais um pouco e caso nada mudasse iríamos ligar o soro, às 18h00 o soro foi ligado e estava ainda nos 4cm...e neste tempo, é banho quente de chuveiro, rebola um pouquinho, tentando fazer algumas coisas pra ver se desencadeava o negócio, se concentra, se distrai, manda a mãe embora, ora, canta, dança, conta piada...e nada eu numa "nice".

O soro correndo e nada mudou até que lá pela 21h – 07 cm que não saiam do lugar e sentimos um cordão pulsar na hora do toque. Comecei a chorar, olhei pra Márcia e pensei ele vai fazer de tudo pra me levar pra uma cesárea...Fomos fazer um exame chamado amininoscópia (não sei como escreve) pra verificar a presença de cordão na frente da cabeça e graças à Deus não estava lá e pudemos verificar que a bolsa realmente estava integra e a explicação é que às vezes tem um tal de bolsão que pode estourar e sair um pouco de líquido...não sei ao certo.

Espera mais um tempo, não sei ao certo quanto, novo exame e resolvemos deslocar as membranas (eu achei que isso dói muito, credo....), espera mais um tempo e este bebê nada, Cogitamos ligar para a Doroth para fazer acumputura como na Thais, mais o Dr. "Frank", digo Jarbas, sugeriu romper a bolsa, primeiro parcialmente e e seguida total. Era 11h00 e aí a coisa pegou....

Como o Davi estava muito alto conforme ele rompia a bolsa, ele encaichava o Davi. Neste tempinho a Márcia e eu queríamos deixar rolar o máximo sem verificar a dilatação, fui pro chuveiro e me neguei a sair e a Márcia ficava de guarda na porta, pra ele não vir me examinar, mas eu entrei numa nóia, não estava vendo mais nada e estava doendo muito e o chuveiro era muito porcaria e eu comecei a quase pedir Harry Poter , rsrsrs a palavra mágica pra anestesia, e nisto ele veio na porta do banheiro e pediu pra examinar.

Minhas forças se renovaram quando verificamos que estava com 9,5, e foi questão de 30 minutos no máximo (eu acho!)

O médico na hora até ponderou ficar no quarto, mas em fração de segundos pediu pra ir para sala de parto, pois a Ana Paula tinha se "perdido" e ele não poderia dar nenhum vacilo, eu concordei e só pedi pra ir caminhando, é bem próximo e lá chegando já avisei que ia nascer ele já estava coroando.

À partir dái não tenho a mínima noção de tempo, se a Márcia ou a Ana Paula souberem me ajudem...sei que o expulsivo não foi longo, mas também não foi sabonete, o Davi teve tempo de virar e nós presenciamos o impressionante movimento em fração de milésimos de segundo ele que estava de carinha pra cima virou pra baixo, deu uma volta completa na minha barriga e nasceu com uma circular frouxa e os braços cruzados, com 4125kg e 53cm, sem qualquer problema e já foi colocado em seguida para mamar, procurou o pai assim que nasceu, quando ouviu sua voz (testificado pela Dra. Ana Paula) e chorou muuuuuuuuuuito quando veio pro colo da mãe, rsrsrsrsr

Graças a nossa querida Ana Paula ficou o tempo todo comigo no quarto e em 13 horas tivemos alta e hoje eu e a Dra. Ana Paula somos consideradas doidas na cidade. A mãe natureba com a pediatra doida, que dá alta pra um bebê em menos de 48h e nem faz nenhum procedimento de rotina. :-) e Como dizem nos contos de Fada :E foram (são) felizes para sempre....

Voltar para Lista de Relatos

 
Copyrights: GAMA - Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução das imagens ou do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita.
Quem Somos
Onde Estamos
Mapa do Site
Fale Conosco
GAMA - Grupo de Apoio à Maternidade Ativa - Rua Natingui, 380 - Vila Madalena - 05443-000 - São Paulo, SP
Telefones: clique aqui - E-mail: CLIQUE AQUI