Ir para a Página Principal  
  Artigos   Palavra da Parteira
sobre Parto e Nascimento
 
  Serviços para Profissionais   Para profissionais (cursos, oficinas, consultoria)
  Serviços para Gestantes   Para Gestantes (cursos, yoga, atendimento)
  Produtos   Produtos
vídeos, livros,
e outros
  Eventos   Histórias de Parto
relatos de mulheres especiais
  Outros   Links
Cadastre-se
 
 

Relatos de Parto
Nome: Virginia Cristina Fabi Brandi

 

NASCIMENTO DO ARTUR, por Virginia

Na ocasião da gravidez da Natália (nossa primeira filha), meu desejo sempre foi o parto domiciliar, mas que acabou não ocorrendo, pois o pai não sentia firmeza nessa opção e resolvemos ter um parto hospitalar mesmo. Como correu tudo maravilhosamente bem nesse parto, o Edson concordou que no próximo bebe poderíamos fazer o parto em casa.... e assim foi! J

Mesmo morando em Brasília, logo decidi que realizaria o parto com o Dr. JK (de São Paulo), na casa da minha mãe, que mora em Campinas (interior de SP), fiz o pré-natal mensal com uma médica em Brasília e visitei o Dr. J. todas as vezes que estive na casa da minha mãe. No entanto, em virtude de uma trasnferência de trabalho do Edson, mudamos pra São Paulo no oitavo mês de gravidez, logo qualquer impecílio de ter o parto acompanhado do Dr. J. acabou. Teríamos nosso bebe na nossa casa mesmo!!!

Esse parto foi muito diferente do primeiro, e começou com pródomos uma semana antes do "dia P"... passei 3 madrugadas com contrações frequentes, mas sem ritmo e que paravam pela manhã.

No dia 21 de março decidi que iria tentar dar uma ajudinha pro TP... hehehe... então almocei um chilli bem apimentado e a noite consegui convencer o Edson a namorarmos um pouco, ele tinha o tal receio de machucar o bebe, mas cedeu!!!

Quando fui me deitar estava com algumas contrações fracas, mas não liguei muito por causa das noites anteriores e dormi... No entanto, quando a Natália acordou as 0:30h (do dia 22/03) as contrações estavam bem mais fortes e frequentes... dei o leite a ela, ninei um pouco e ela dormiu novamente.

Saí do quarto dela direto pro chuveiro... as contrações já estavam incomodando bastante, e eu precisava ficar de cócoras... tentei cronometrar os intervalos e durações, mas não consegui... as contrações só ficaram mais fortes e frequentes.

Saí do banho e comecei a contar as contrações, chegando a 12 contrações em 30 min, e o Dr. J. havia dito para chamá-lo com 12 contrações em 1 hora. Então resolvi chamar todo mundo... Dr. J., minha mãe e minha mãe (que ainda tinha que vir de Campinas)... isso eram 2:30 da manhã.

Fui colocar a casa em ordem... hehehe... arrumar a lavanderia para prender o cachorro, botar em ordem uma bagunça da Natália na sala, colocar tesoura na solução de iodo, separar algumas das coisas pro parto... tudo isso me acocorando nas contrações a cada 2 ou 3 minutos.

Minha doula chegou, ficamos na sala conversando... eu continuava a acocorar a cada contração e ela cronometrava o intervalo e duração... 5 contrações a cada 10 min, que duravam de 40/50 segundos. Ela desconfiou de falso trabalho de parto...

Dr. J. chegou, acompanhado da Dra. M. e Dra. A.... continuamos ali na sala... ouvimos os batimentos do Artur e estava tudo ok! Confirmamos alguns itens do plano de parto, e nesse ponto as contrações estavam bem incomodas e eu já tinha cansado de ficar de cócoras. Além disso, comecei a sentir umas vertigens e acabei ficando ajoelhada no chão, jogando o corpo pra trás quando vinham as contrações.

A madrugada esta fria... mas eu sentia muito calor... então todas as janelas da sala estavam aberta... eu só via todo mundo morrendo de frio... mas fazer o que, ne? Naquela hora quem "mandava" era eu!!! hehehe

Recomendaram que eu comesse alguma coisa salgada, comi algumas azeitonas... mas eu só queria ir pro chuveiro... melhorei um pouco das vertigens então decidi tomar o banho.

Mas antes, resolvemos fazer um exame de toque (o único, graças a Deus)... no qual constatou-se a dilatação total... Dr. J. achou que ele nasceria bem rápido e achamos melhor não entrar no chuveiro, pois o box é pequeno e não daria pro Artur nascer lá dentro.

Então sentei na baqueta de parto de cócoras, com a doula me amparando e comecei a fazer força bem de leve durante as contrações, pois tinha como grande objetivo nesse parto, evitar a laceração perineal.

O tampão só saiu nessa hora, apesar de eu ter achado que ele tinha saído alguns dias antes....

Nesses minutos, assim como no parto da Natália, eu ouvia o que as pessoas falavam, queria até fazer comentários, mas não conseguia! Eu estava na "partolândia"... hehehe

Minha mãe finalmente chegou de Campinas J e a doula ofereceu o lugar dela, então minha mãe rapidinho veio sentar atrás de mim, pra me amparar... então a doula foi ser a cinegrafista, enquanto o Edson fotografava...

Tive sede e como é bom estar em casa... rapidamente me deram um bom copo de água gelada... era tudo o que eu precisava.

Com um espelho que colocaram na minha frente, pude ver a cabecinha aparecendo, ainda envolvida na bolsa... aliás nas fotos, dá pra ver direitinho o "azulzinho" da bolsa... muito legal!!! J Eu queria que ele nascesse "emcapsulado", mas não... alguns minutos antes de ele coroar a bolsa estourou, fazendo um ploc engraçado.

Impressionante como as crianças sentem as coisas... no momento que o Artur coroou, a Natália (que dormia todo o tempo no quarto dela) acordou!!! Putz... me chamando... ainda bem que já estava no final e eu consegui me manter concentrada no nascimento do Artur, enquanto o Edson foi atender a Nat... Ele correu e passou a Natália pro meu irmão que aguardava na sala e voltou correndo...

Nesse instante, as 5 da manhã do dia 22 de março de 2005... o Artur nasceu... de quina pra Lua, ou seja olhando pro céu!! J

O Dr. J. o pegou e rapidamente passou pras minhas mãos e eu o coloquei sobre meu peito... ele foi coberto com algumas fraldas de pano e ficou encostadinho em mim!!!

Em questão de segundos após o nascimento do Artur, a placenta já saiu... realmente super rápido.... no entanto eu tive um sangramento excessivo e a equipe achou melhor ministrar uma injeção de ocitocina, para evitar uma hemorragia maior!

O cordão foi cortado pelo pai, somente após parar de pulsar, mesmo com a nossa incompatibilidade de Rh, que preconizaria o corte precoce do cordão!!!

A Natália veio conhecer o irmão assim que ele nasceu... ADOROU... ficou chamando de "Tutu", que é apelido que ela deu à ele, logo que descobrimos o sexo do bebe... foi lindo ver o encontro dos dois... assim como é lindo ver o carinho com que ela trata o irmão!!!! J

O Artur nasceu com apgar 9/10, pesando 2950g... não recebeu colírio nem vitamina K... mamou direitinho desde a primeira vez que foi colocado no peito!

E eu consegui mais uma vitória... a de parir meu filho em casa e sem laceração... para então iniciar uma nova vida, cuidando e amamentando dois bebes!!!

Voltar para Lista de Relatos

 
Copyrights: GAMA - Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução das imagens ou do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita.
Quem Somos
Onde Estamos
Mapa do Site
Fale Conosco
GAMA - Grupo de Apoio à Maternidade Ativa - Rua Natingui, 380 - Vila Madalena - 05443-000 - São Paulo, SP
Telefones: clique aqui - E-mail: CLIQUE AQUI