Ir para a Página Principal  
  Artigos   Palavra da Parteira
sobre Parto e Nascimento
 
  Serviços para Profissionais   Para profissionais (cursos, oficinas, consultoria)
  Serviços para Gestantes   Para Gestantes (cursos, yoga, atendimento)
  Produtos   Produtos
vídeos, livros,
e outros
  Eventos   Histórias de Parto
relatos de mulheres especiais
  Outros   Links
Cadastre-se
 
 

Relatos de Parto
Nome: Roberta Marcinkowski

 

Aqui vai o relato do meu parto...

A minha bolsa rompeu à 1:30 da manhã do dia 13. Eu liguei para a Ana Cris, o Luca ainda não tinha chegado dos EUA, ia chegar por volta das 8 da manhã. Comecei a ter contrações de em 5 minutos e monitorei por mais ou menos 1 hora antes de ligar novamente para a Ana. Ela veio para a minha casa e ficou me fazendo companhia. O Luca chegou de viagem e por volta de 10 da manhã o doutor J. passou para dar uma olhada no meu estado. Eu estava com apenas 1,5 cm de dilatação. Havia mecônio no líquido amniótico e ele recomendou que eu tomasse bastante líquido. Ele e a Ana foram embora por volta do meio-dia, as contrações ficaram um pouco mais espaçadas. Aproveitamos para descansar, eu e o Luca.

À noite, eu comecei a tomar o antibiótico, já fazia 18 horas do rompimento da bolsa. As contrações estavam de 10 em 10 minutos ou até mais. Consegui dormir relativamente bem.

Na manhã seguinte, o doutor J. me mandou ir ao Santa Catarina fazer um ultra-som, cardiotocografia e uns exames de sangue. Cheguei lá por volta de 8 da manhã e soube que o parto da Denise também estava em curso. Issos significava que a dra. M., a dra Andrea e a Ana Cris estavam lá também. Fiz os exames e ficamos esperando os resultados que ficaram prontos perto de meio-dia. As contrações estavam de 7 em 7 minutos nesse momento.

A enfermeira passou os resultados para o doutor J. por telefone e ele pediu para a dra. M. fazer um exame especular. Ela me disse para almoçar primeiro. Fomos andando até o Shopping Paulista e eu percebi que as contrações começaram a ficar mais frequentes, de 3 em 3 minutos. Quando eu voltei, ela me examinou e eu já estava com 4,5 de dilatação. Fui internada por volta de 1:30 da tarde e as contrações foram ficando mais fortes. Fiquei sozinhha na LDR por um bom tempo enquanto o Luca tratava dos papéis da internação. Eu andava durante as contrações, o que aliviava bem. A Ana Cris trouxe a bola para eu usar e vinha de vez em quando ver como eu estava. Eu fiquei no chuveiro um tempo também.

Quando o parto da Denise acabou, elas vieram para o meu e eu já estava com muita dor. A dilatação estava de 6 para 7 e eu pedi que elas me dessem anestesia. A dor era muito intensa e eu sentia muita náusea também. A dra. M. me deu então uma injeção de buscopan com plasil até que o doutor J. chegasse. Eu estava muito certa de querer a anestesia. O Luca esteve ao meu lado o tempo todo, tentando me apoiar e fazer qualquer coisa que me ajudasse. Ele sugeria que eu fosse para o chuveiro, mas eu não conseguia nem responder ao que ele falava.

O doutor J. chegou e a primeira coisa que eu disse foi "eu quero anestesia". Ele me disse para ter um pouco de calma para que ele soubesse primeiro o que estava acontecendo e a medicação pudesse ter algum efeito. Eu já estava vendo estrelas de tanta dor e numa contração mais forte, vomitei, urinei e evacuei ao mesmo tempo. Ele decidiu fazer um toque e a dilatação estava em 9cm! Eu achei que ele e a Ana Cris estavam me enganando, mas o fato é que com aquela sujeirada toda eu decidi ir para o chuveiro. Fiquei lá por mais de 1 hora e realmente ficou óbvio que o expulsivo tinha chegado. Debaixo d'água, as contrações ficaram muito mais suportáveis, mas eu gritava bastante em cada uma delas. A Aa Cris e a dra. M. se revezavam no banheiro. Eu fiquei mais ou menos uma meia-hora na banqueta de parto e a Júlia estava descendo relativamente rápido.

Fui para a cama e com instruções muito específicas de como fazer força durante as contrações, em meia-hora a Júlia nasceu, toda envolta em mecônio. Depois de uma limpadinha básica da Ana Paula, ela veio para o meu colo, já com os olhos abertos e ficou me olhando intensamente durante muito tempo. Deu uma mamadinha e ficou lá até a Ana a levar para ser pesada. A placenta saiu em menos de 10 minutos também e eu já estava me sentindo muito bem e renovada, conversando com todos e extremamente impressionada com o fato de que tinha conseguido. Nem me incomodei com os pontinhos que tive que levar por causa da laceração.

A Júlia é linda e muito tranquila, tanto que estou em casa e já estou até escrevendo uma "bíblia" de relato de parto.

Queria agradecer muito a todos:

À dra. M., que induziu o parto naturalmente me mandando almoçar e subir escadas no shopping e fez uma sauna enorme comigo no banheiro durante o expuslivo.

À dra. Andrea, que segurou a minha perna direita durante a fase final do nascimento e me deu um beijo muito carinhoso de despedida.

À Ana Cris, que confiou em mim mais do que eu mesma e me deu todo o apoio desde o início.

À Ana Paula, que permitiu que a Júlia ficasse comigo o tempo todo e que ajudou a escapar das terríveis rotinas que ela teria enfrentado com a equipe de pediatria do Hospital.

Ao doutor J., "gerente" da mulherada, que segurou a barra de esperar pelo meu trabalho de parto, depois de mais de 30 horas de bolsa rota, com mecônio e a minha hipertensão crônica e que deu as instruções certas na hora certa para eu conseguir fazer a Júlia nascer.

Finalmente, ao Luca, que me surpreendeu participando de tudo, tentando me ajudar, que conseguiu ver a filha nascer e cortou o cordão umbilical e que está babando nela até agora.

Desculpem pelo tamanhão!

Voltar para Lista de Relatos

 
Copyrights: GAMA - Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução das imagens ou do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita.
Quem Somos
Onde Estamos
Mapa do Site
Fale Conosco
GAMA - Grupo de Apoio à Maternidade Ativa - Rua Natingui, 380 - Vila Madalena - 05443-000 - São Paulo, SP
Telefones: clique aqui - E-mail: CLIQUE AQUI