Ir para a Página Principal  
  Artigos   Palavra da Parteira
sobre Parto e Nascimento
 
  Serviços para Profissionais   Para profissionais (cursos, oficinas, consultoria)
  Serviços para Gestantes   Para Gestantes (cursos, yoga, atendimento)
  Produtos   Produtos
vídeos, livros,
e outros
  Eventos   Histórias de Parto
relatos de mulheres especiais
  Outros   Links
Cadastre-se
 
 

Relatos de Parto
Nome: Márcia Baltazar

 

 

Nossa! Finalmente hoje, dia 15 de janeiro de 2006, estou começando a escrever o relato do parto do Cauré, que ocorreu na madrugada do dia 13 de setembro de 2005, na nossa casa, num bairro perto da Unicamp, em Campinas.

Desde seu nascimento, há 4 meses, passei por várias fases com relação à escrita desse relato. Sabia que ia fazê-lo, mas teve momentos que eu o encarava como pura obrigação para com as listas de discussão na internet, outros, que achava que seria interessante para meu filho poder lê-lo mais para frente e, outros, que se tratava de uma coisa importante para mim, já que considero a minha experiência como um rito de passagem e o coroamento da minha vida sexual. Então, hoje, inicio o relato achando tudo isso.

Na noite do dia 12, havia tido o seguinte sonho: Eu conversava por telefone com a Raquel que participou do Grupo de Cócoras da Unicamp e também da lista materna. Ela me perguntava quando meu filho ia nascer e eu dizia: "Agora". (Era isso mesmo que eu respondia, desde a 38ª. semana, para as pessoas que me perguntavam na vida real). Mas ela me dizia: "A data provável não é dia 16? Então não vai ser agora." Bem, não foi no dia 12, mas no dia seguinte.

De manhã, sai de carro e, por distração, entrei numa guia e estourei o pneu (mais um presságio que associei com estourar a bolsa, que ainda estava intacta). Eu já estava com 39 semanas e 3 dias e, claro, que não fui eu quem trocou o pneu. Também passei numa horta e, esperando, olhei para cima e me deparei com amoras maduras (setembro!).Eu havia passado a gravidez inteira com desejo de amora, mas não tava na época. Logicamente, comi algumas.

Logo depois do almoço, comi outra fruta, uma manga, e começaram algumas contrações. Eu havia tido muitas contrações durante a semana anterior; mais durante a noite, mas que logo passavam quando eu deitava. Então, deitei para ver se era alarme falso. Não, não. Elas não passaram e nem me deixaram dormir, estavam de 20 em 20 minutos.

Gustavo estava trabalhando em casa. Subi até seu escritório e avisei que parecia estar próximo. Nossa empregada foi embora sem saber de nada. Liguei para minha amiga, fotógrafa e professora de yoga _Fabiana_ e avisei que poderia ser naquela madrugada, para ela cancelar suas aulas da noite e da manhã do dia seguinte. Liguei para a Vilma (a parteira, enfermeira obstetra), que pediu para eu observar e ir ligando para ela. Eu havia selecionado um monte de músicas muito dançantes no dia anterior (sambas, axés, lambadas, rumbas...até Sandra Rosa Madalena, do Sidney Magal, tinha!) e fiquei dançando. A minha predileta era Sandra, do Gil. Dancei um pouco com o Gu.

No final da tarde, ligamos para a Vilma que disse que ia dar um tempo em São Paulo por causa do rush da saída e da chuva. Em Campinas, tava começando a fazer tempo de chuva. Gustavo saiu para fazer o estoque de comida e comprar as últimas coisas que faltavam para o parto em casa. Fiquei em casa sozinha das 18 às 19:30 horas. As contrações vinham, eu me segurava numa barra de uma cadeira-rede e nos intervalos ia escrevendo meu relato ao vivo para meu filho, que até então não tinha nome. Nessa hora eu já havia mudado as músicas para mais calmas e relaxantes.

Gustavo chegou e jantamos uma sopa de mandioca. As contrações começaram a serem menos espaçadas e mais intensas (em média de 5 em 5 min). Precisei parar com o relato ao vivo. Às 20:30h liguei para Vilma e ela ainda estava em São Paulo. Como assim? Ela havia entendido que eu ligaria ainda dizendo para ela vir: VENHA.

As 21h. a Fabiana chegou. Eu não queria tomar banho antes dos 5 cm de dilatação, com medo de parar o trabalho de parto. Pedi para o Gustavo fazer o exame de toque porque também havíamos combinado que ele faria, quando desse, ao invés da Vilma. Dois dedos. Não me conformei, desde as 14h e dois dedos! Meça em cm! O Gu mediu seus dedos com paquímetro e deu 2,8 cm. Menos mal, mas havia muito trabalho ainda pela frente.

Ele e a Fá me convenceram a tomar banho. A chuva começou e esfriou o tempo. A Vilma chegou às 22h. Com aquelas músicas zens, todo mundo ficou relaxado, menos eu. Vilma chegou a me perguntar se eu queria descansar. Claro que não, eu queria que ele nascesse logo. Aquilo feriu o meu ego, resolvi acordar todo mundo e colocar um certo vermelho naquele astral azul. Voltei com as músicas de Carnaval (A Fá até falou que parecia o Carnaval da Bahia). Gustavo fez uma acupuntura na minha orelha para a dor e para organizar as contrações, mas Vilma achou melhor não intervir e eu também. Eu não precisava de sedativo para a dor, a qual estava super suportável.

A Vilma percebeu que eu estava tensa, segurando tudo no ombro e resolveu fazer uma massagem (do in). Ela ia tocando nas minhas costas e eu ia sentido a bacia abrir, sentia a lombar, a bunda...

Terminada a massagem, senti vontade de fazer xixi e, no banheiro, onde havia um escalda-pé, notei um sangramento.Desesperei. Havia lido que se houvesse sangramento era sinal de problema no parto. A Vilma tentava me acalmar dizendo que era por causa da dilatação do útero e eu querendo ouvir o coração do bebê.

OK. Ouvi rapidinho o coração e me convenci que estava tudo bem. Nem queria fazer toque, pois achava que tava cedo, mas a Vilma insistiu. 8 cm! Uau, que massagem! Passei de 3 para 8 cm em vinte minutos! Tá vendo, vocês não tão acreditando em mim, né... (pensei). Daí, dancei mais um pouco, fiz um exercício que a Vilma indicou levando o joelho na direção do peito e dei um "amasso" no Gustavo (estava super feliz). Daí a pouco, percebi que tinha chegado no expulsivo. Era mais ou menos meia-noite e já havia perdido a aposta do sonho de que ele nasceria naquele dia.

Voltei para a barra. As contrações ficaram mais doloridas. Vilma me perguntou se eu queria mudar de posição. Eu quis (depois me arrependi de ter mudado). Fiquei de quatro, com o Gustavo me puxando pelos braços. Eu jogava o bumbum para o chão nos momentos de contração e Vilma ficava dando uns toques com relação à postura. Depois, Vilma achou melhor mudar de novo de posição e fiquei semi deitada no chão, com o Gu apoiando meu tronco. Vilma argumentou que parecia que um osso do cóccix estava dificultando a passagem do bebê e me dizia que meus gritos não estavam expulsando, mas travando tudo na garganta (Viadinha! Acertou na mosca!).

Na posição semi-deitada, aí que o negócio parou. Pela visão da Vilma o bebê tava alto (mas eu não acreditava nessa hipótese). Para mim, eu tava com medo. Medo, medo. Medo de ser mãe, de deixar de ser livre, de deixar de ser a (teórica) gostosona, medo da responsabilidade. Tive medo de liberar. Sabe quando a gente trava o gozo? Travei. Veio a imagem do meu pai (tive culpa, Freud?). E também me veio a imagem de um cocar vermelho. Tudo isso durante mais de duas horas. As contrações rarearam e eu não tinha coragem de tocar na minha barriga. Veja só, resolvi pensar se eu queria ser mãe naquela hora. Fechava os olhos e a Vilma me chama para a terra (eu tava na terra, mas em outra).

Até que percebi que tinha de liberar a energia vermelha (acho que na hora que vi o cocar) e FODA-SE. Disse isso mesmo umas duas vezes, foda-se Márcia (nos dois sentidos, o do prazer e o de estar lascada). Mudamos novamente de posição. De quatro novamente.

Nessa hora, eu já estava um pouco farta das correções da Vilma com relação à minha postura. Eram todas óbvias, mas eu não tava concentrada no corpo. No entanto essas correções, para uma atriz, incomodavam (Haja ego! Até no expulsivo !) Ela queria mudar novamente de posição e eu quis tentar mais um pouco de quatro (pensei: agora vou fazer certo!). Até que ela propôs voltar para a barra, de cócoras. Oba! Lá eu sabia me virar. Topei na hora. E assim foi.

Quando ele tava coroado, senti com a minha mão sua cabecinha e depois praticamente sentei no chão. Nessa hora a Fá lembrando da respiração e Gu na minha orelha dizendo: VOCÊ SABE, me ajudaram profundamente. Na verdade, senti como se tivesse me abrindo para um gozo. Não foi propriamente um gozo, teve uma certa dor (principalmente um ardor no períneo), mas depois que ele escorregou: QUE DELÌCIA! ELE É LINDO. MEU DEUS, ELE É LINDO! E meu querido veio para meus braços. Ficamos um tempo nos curtindo. Ele de olhos abertos, tinha uma respiração bem ofegante e parecia com o nariz ainda entupido. Eu um pouco boba e não acreditando na revolução. Quando a Vilma pegou-o para pesar e medir (48cm e 2, 8kg, opa 3kg), fiquei olhando-o com receio de pegar novamente. Realmente não tinha mais volta e era lindo tudo aquilo. Morte e vida juntos.

Pra terminar esse arquivo da (e para) minha memória, falta dizer que o Gustavo cortou o cordão, a Fá se emocionou tanto que mal conseguiu tirar fotos na hora H e a Vilma, na hora do coroamento e da expulsão, foi coordenando para eu não fazer força na hora da contração,mas sim para fazer a força (de cocô) entre elas. Isso fez com que eu não tivesse nenhuma laceração do períneo.

No final do parto até falei: eu quero outro, agora eu já sei. (Depois de um mês já havia desistido dessa idéia, dado o trabalho inimaginável que um filho dá). Agradeço imensamente à Vilma, embora tenha ficado com um pouco de raiva dela na hora, pois achei que ela foi muito interventora para os meus parâmetros (conversamos sobre isso depois de dez dias). Eu queria fazer tudo sozinha. (Acho que eu ia demorar muito, se não fosse ela. Contraditório, né? Pois quando ela me perguntava se eu queria descansar eu me sentia ofendida e tentava apressar as coisas.)

Ao Gustavo meu eterno companheiro em TODAS as horas. À Fabiana, pelas fotos, pelos belíssimos ensinamentos da yoga, pela força, pela emoção. Ao Grupo de Cócoras da Unicamp. Foi muito bom vivenciar a gravidez com outros casais. As conversas, os relatos e a preparação física para a hora do parto ajudaram na manutenção de minha segurança em ser DONA do meu próprio parto. Considero que as mulheres que têm seus filhos no Caism (com pouca ajuda da equipe médica de plantão) são realmente rainhas. No meu caso, todo o conhecimento do que ocorre no parto e das posições facilitadoras até criou um conflito com a parteira (exceto na hora do sangramento, pois, se fosse um "inimigo", me engambelaria facinho para uma cesárea).

À lista de discussão na internet, materna-sp. Como o Gustavo já mencionou no seu agradecimento à lista, foi muito importante ler os relatos de parto e as discussões sobre os falsos argumentos para cesáreas. Isso nos deu ainda mais segurança.

E ao nosso filho, que foi bem corajoso e também veio à luz com suas próprias pernas. Enfim, depois de 20 dias de várias indecisões e de quase Caubi, nosso querido teve um nome: Cauré, nome indígena e nome de um falcão brasileiro_ a ave da fortuna e dos feitiços de amor.

(Relato terminado dia 24 de janeiro de 2006)

Voltar para Lista de Relatos

 
Copyrights: GAMA - Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução das imagens ou do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita.
Quem Somos
Onde Estamos
Mapa do Site
Fale Conosco
GAMA - Grupo de Apoio à Maternidade Ativa - Rua Natingui, 380 - Vila Madalena - 05443-000 - São Paulo, SP
Telefones: clique aqui - E-mail: CLIQUE AQUI