Ir para a Página Principal 
 Artigos Palavra da Parteira
por Ana Cristina Duarte
 
 Serviços para Profissionais Para profissionais (cursos, oficinas, consultoria)
 Serviços para Gestantes Para Gestantes (cursos, yoga, atendimento)
 Produtos Produtos
vídeos, livros,
e outros
 Eventos Histórias de Parto
relatos de mulheres especiais
 Outros Links
Cadastre-se
 
 

Relatos de Parto
Nome: Adriana Ortega

 

Vou contar o que aconteceu, pois acho que devo uma satisfação.
Eu não sei se todas se lembrarão de mim, eu fiz de tudo para ter um parto normal, corri atras, de médico humanizado, parteira, doula, mas infelizmente não tinha um centavo para pagar o meu parto.

Sei que muitas vão dizer que deveria ter dado prioridade para isso, mas eu não tinha condição mesmo, teria que deixar de pagar aluguel, comer, etc. Aí o que me restou foi a casa de parto, mas até aí, já estava tudo decidido, com 37 semanas eu ia pra lá e já que não tive problema nenhum na minha gestação achei que tudo daria certo.

36 semanas, meu desespero começou aí, faltava uma semana certinho para ir na casa de parto fazer a avaliação, já estava marcado, mas de repente começou um corrimento estranho com sangramento e foi aumentando, não tinha como ir pra casa de parto, já que não fiz nenhuma avaliação e ainda estava com 36 semanas, então liguei pra médica, ela me disse para passar numa consulta no Santa Joana e verificar o que estava acontecendo, fiquei muito nervosa pois tive medo de algo dar errado, mas fui pois não sabia o que fazer, acho que meu maior erro foi ter ido.

Cheguei lá estava com rompimento da bolsa e sangramento, me deixaram internada. Eu vi meus planos indo por agua abaixo, na hora, (não sei o que ia fazer) mas pedi para ir embora, claro que não deixaram, chorei muiiiiiito, meu marido também chorou, me arrependi de não ter ido para um hospital público, talvez lá minha chance seria maior. Quando a médica veio me visitar, disse que ia me segurar lá para aguentar até 37 semanas, mas disse que se o sangramento parasse eu iria pra casa e ficaria em repouso absoluto, nessa hora meu coração se alegrou, pensei se eu sair daqui, vou para a casa de parto, ou mesmo que não der vou para um hospital público.

Os dia foram passando e no dia que a médica ia me dar a alta, minha bolsa estourou, não tive como voltar para casa. E como eu já esperava, ela não quis nem tentar fazer um parto normal, alegou que minha bolsa já estava rompida há muito tempo, desculpas que todas vocês conhecem e eu também conhecia muito bem, mas não tive como sair de lá.

Acho que meu parto não teria sido tão traumatizante, embora sendo uma cesárea, se eu tivesse sentido da parte da médica um pouquinho de humanização, meu parto foi muito frio. Ligaram para a médica do hospital, ela já mandou me preparar, quando ela chegou eu já estava naquela cama horrível, fui para o CO, ela não quiz me dar a mínima oportunidade de um parto normal, chegando no CO, prenderam minhas mãos, me deram aquela anestesia, chamaram meu marido, que ficou horrorizado com tamanha frieza, tiraram minha filha com muito sacrifício, pois ela já estava no canal de parto, nasceu toda tortinha por isso, meu marido disse que eles enfiaram a mao na minha barriga como se estivessem mexendo em um saco de qualquer coisa, quando minha bb nasceu, não pude tocá-la, afinal estava presa.

Na hora de me fecharem, a conversa que ouvi, foi a seguinte: Só eu mesma pra estar fazendo um parto trabalhoso desses (durou mais ou menos 1 hora e 20 disse que nunca tinha feito uma cesárea tão demorada como esta) ás 04:10 da madrugada em pleno feriado (minha filha nasceu dia 25/03) sexta feira santa.

Não tive alegria nenhuma ao ver minha filha nascer, meu marido assistiu, acho que sofreu mais do que eu em ver meu sofrimento, em ver minha filha ser arrancada sem amor nenhum, a médica quase quebrou o bracinho da minha filha, foi terrível. Graças á Deus está tudo bem, minha filha com saúde, eu tive uma boa recuperação, mas o parto nos "machucou" demais.

Depois de tudo, minha filha foi pro quarto, não pude nem cuidar dela, como todas sabem. Quando fui pra casa, foi muito difícil pois não tinha ninguém pra me ajudar, minha casa e sobrado, não podia cuidar da minha filha, e quase entrei em depressão e não sei, creio que devido a isso, não saia uma gota de leite do meu peito (eu que queria amamantar minha filha até 2 anos de idade), usei bombinhas, tudo o que me falaram eu fiz, tentei tirar leite até minha filha completar 3 meses, mas foi sem sucesso.

Depois de tudo isso, quando fui tirar os pontos, meu marido foi junto e ficou na sala com a bb, a médica não teve a coragem de pedir pra ver a minha filha, não perguntou nada a respeito dela, acho que essas foram as piores coisas da minha cesárea. Senti muito mais pelo bem estar da minha filha nessa hora, do que por mim mesma, pensei não estar sendo justa com minha bb, já que ela estava pronta para nascer, acho que se eu fizesse um pouquinho de força, ela nasceria.

Dói demais em mim quando lembro a forma que minha filha foi tirada do meu ventre, mas só Deus sabe o quanto eu tentei ter um parto normal e quanto desejava isso.

Bom, fica aí meu desabafo, quem sabe sirva pra alguma coisa.

Adriana Ortega & Letícia (4 meses e meio)

Voltar para Lista de Relatos

 
Copyrights: GAMA - Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução das imagens ou do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita.
Quem Somos
Onde Estamos
Mapa do Site
Fale Conosco
GAMA - Grupo de Apoio à Maternidade Ativa - Rua Natingui, 380 - Vila Madalena - 05443-000 - São Paulo, SP
Telefones: clique aqui - E-mail: CLIQUE AQUI