Ir para a Página Principal  
  Artigos   Palavra da Parteira
sobre Parto e Nascimento
 
  Serviços para Profissionais   Para profissionais (cursos, oficinas, consultoria)
  Serviços para Gestantes   Para Gestantes (cursos, yoga, atendimento)
  Produtos   Produtos
vídeos, livros,
e outros
  Eventos   Histórias de Parto
relatos de mulheres especiais
  Outros   Links
Cadastre-se
 
 

Relatos de Parto
Nome: Denise Haendchen

 

Relato do parto da Alice - parto domiciliar
por Denise Haendchen

Dia 08 de Abril de 2007 foi o dia em que a Alice foi concebida. Assim como a irmã, a gravidez veio em uma só brecha. Era minha segunda filha que começava a crescer no meu ventre.

Minha intuição dizia que era uma menina e eu estava certa. Na primeira gestação eu sonhava com uma bebê moreninha, com cabelos pretos e olhos de jabuticaba. Mas, quando a Júlia nasceu eu pensei: esta não é a bebê que aparecia nos meus sonhos!! A Júlia era branquinha, cabelos castanhos e olhos castanhos esverdeados. Quase três anos depois eu venho conhecer, ou reconhecer, a Alice. Era ela!

Exatamente nove meses depois da concepção nasceu Alice, no dia 08 de Janeiro de 2008. A gravidez foi tranqüila. Engordei os mesmos 18 quilos da anterior e mesmo assim estava ótima. Andava muito pelo bairro, carregava a Júlia e sentia aquela típica necessidade que algumas mulheres têm de consertar e arrumar tudo na casa.

Em uma consulta, faltando um mês para a data provável do parto, a Dra. A me disse que a Alice estava sentada. Eu disse: imagina, eu sinto chutar em cima! Fiz um ultra-som uma hora depois e lá estava minha baixinha, sentada com as pernas cruzadas. Eu não conseguia acreditar. Tive medo de tudo dar errado e ter que fazer uma cesárea depois de ter tido a Ju em um lindo parto domiciliar.

Por indicação médica, marquei uma consulta com a Dra. M que faz acupuntura para virar bebês pélvicos. Toda a minha esperança e energia foram em direção a este dia. Tomei muita água nos dias anteriores para aumentar o líquido amniótico e facilitar a virada. Quando chegou o dia da consulta, fui tranqüila. O Lauro tinha uma reunião, então fui sozinha mesmo. Tinha certeza que ela iria virar. E foi assim, simples e rápido. Depois de algumas agulhadas chatinhas no dedinho do pé ela levantou o bumbum da Alice e empurrou a cabeça dela para baixo. Eu nem senti! Inacreditável. Minha filha era uma bebê grande, já tinha 3,400 kg e ela deu uma cambalhota dentro da minha barriga. Sai de lá feliz da vida. Liguei para o Lauro, para a doula e Dra. A. Estava radiante.

Passou o Natal, ano novo, a cidade estava vazia e silenciosa. Nós ficamos em São Paulo, diferente de todos os anos. A família que mora longe achava que nasceria em dezembro. Eu não quis ninguém aqui. Queria ficar em casa, com meu marido e filha, sossegados. E assim foi até o dia 06, quando começaram as contrações. Vinham fracas e irregulares. Eu fiquei animada, mas quando senti que a intensidade não aumentava, relaxei. Fomos comer pizza no domingo na casa de uns amigos. Voltei pra casa e fui dormir com elas já mais fortes.

Elas começaram a incomodar um pouco, mas como já tinha passado por um trabalho de parto, sabia que ainda tinha um longo caminho a percorrer. Tive contrações durante o dia inteiro. Já no final da tarde, eu senti que elas estavam bem mais fortes. Liguei para Dra. A e para a doula avisando que a Alice estava querendo nascer. Descansei um pouco, consegui tirar uns cochilos (esse foi meu único erro no primeiro parto, não ter dormido à noite anterior... de tanta alegria pelas contrações!!), sabia que precisava descansar. Mas eu estava um pouco na dúvida se realmente era trabalho de parto.

Liguei para a Dra. A, que pediu que eu anotasse o número de contrações em uma hora. Fiz isso e depois liguei pra ela. As contrações estavam regulares, mas absolutamente tranquilas. A Dra. A achou melhor vir para cá. A doula chegou primeiro e fez meu único exame de toque.

Para nossa surpresa, eu estava com quase 8 cm de dilatação. Eu mal acreditei, pois no meu primeiro trabalho de parto senti contrações fortíssimas. Já neste, eu curti muito, fiquei horas mergulhada na banheira. Estava tão bem com o Lauro, a doula e a Dra. A Ficamos conversando, rindo, contando histórias por um bom tempo. Durante as contrações, eu respirava forte (como a querida professora de yoga me ensinou) e me concentrava nelas. Isso fazia toda a diferença nesse finalzinho. As contrações mais fortes já vinham, mas eu sabia lidar com elas. Me concentrava e respirava. Só isso.

Já era madrugada e eu comecei a ficar impaciente. Não queria mais ficar na banheira. Fiquei um tempo no chuveiro abraçada no Lauro. Depois sentei na banqueta de parto. Até que finalmente comecei a sentir Alice descer. Não achava posição, estava desconfortável sentada. E então senti meu corpo empurrando ela pra baixo. O incômodo passou. Agora era só fazer força para ela nascer. Estava acabando. Nisto apareceu o Dr. C (pediatra), que até então estava na sala a meu pedido.

Depois de um tempo, já cansada, me lembro de começar a chamar pela minha filha. E minutos depois apareceu o cabelinho preto, depois saiu a cabeça e na contração seguinte saiu todo o corpinho. Ela era grande e redonda. Bem moreninha. Linda. A abracei bem forte, senti o corpinho ainda quente e úmido. Eram 4:10 da manhã. O Lauro veio pegar nossa gordinha: 3,950 kg!! E como filha de confeiteira que é, foi pesada em uma balança de cozinha, dentro de uma forma de bolo (a do pediatra tinha ficado no hospital). Ela mamou, me olhava com aqueles olhinhos pretos espremidos.

Linda, linda, linda. Ficamos horas nos olhando. O pessoal tomou um cafezinho e foram embora dormir. Já era 6h da manhã. Às 8h a Júlia acordou, dei um pulo da cama e disse pra ela: vem conhecer a sua irmã que nasceu enquanto você dormia!! Ela veio correndo curiosa e ficou deitada na cama conosco. A partir daquele instante nós seríamos quatro para sempre.

Não consigo descrever a alegria de ter parido minhas duas filhas de forma crua, intensa e sem disfarces. Me sinto absolutamente privilegiada por ter conhecido a doula e a Dra. A Com elas aprendi que é possível trazer um filho ao mundo sem soro, sem cortes e acima de tudo respeitando a mulher e o bebê. Minhas filhas ficaram no meu colo após o parto. Mamaram pelo tempo que quiseram e depois de muito carinho foram observadas pelo médico. Não foram esfregadas e nem furadas sem nenhuma necessidade.

Agradecimentos:

Ao Lauro, meu companheiro de todas as horas, meu amor lindo.
A Júlia, que me ensinou a ser mãe e a amar incondicionalmente.
A minha doula e a Dra. A, minha admiração e gratidão. Não tenho nem palavras para expressar tudo o que vocês fizeram por mim. Vocês são demais!
Ao Marcelo Min, que fez fotos lindíssimas do parto. Obrigada por tudo, até pelas palavras de incentivo no parto.
Ao Dr. C que cuidou com muito carinho da Alice nos seus primeiros dias.

Aqui está o relato do primeiro parto.

Voltar para Lista de Relatos

 

 
Copyrights: GAMA - Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução das imagens ou do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita.
Quem Somos
Onde Estamos
Mapa do Site
Fale Conosco
GAMA - Grupo de Apoio à Maternidade Ativa - Rua Natingui, 380 - Vila Madalena - 05443-000 - São Paulo, SP
Telefones: clique aqui - E-mail: CLIQUE AQUI